ESBOÇO DE MENSAGENS

1 samuel 15 11DEUS ARREPENDE DE SAUL 1 SAMUEL 16 15 O ESPIRITO E ESPUSSO PELO LOUVOR

O ESPIRITISMO E A FEITICEIRA DE EN-DOR
Tipo: Esboços e estudos bíblicos / Autor: Pr. Airton Evangelista

A visita que fez o rei Saul a uma feiticeira, conforme registro em 1 Samuel 28.1-25, tem sido usada pelos espíritas para legitimar a crença da comunicação entre vivos e mortos. Examinemos.

1. Deus não responde a Saul

Bem antes de Saul tentar falar com Samuel via feiticeira, a graça de Deus fora tirada de sua vida. Por sua desobediência no caso dos despojos dos amalequitas, o Senhor o repreendeu duramente: “Porque a rebelião é como pecado de feitiçaria… Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei” (1 Sm 15.10-31). Veja 1 Sm 28.16.

Por sua rebeldia, Saul ficou entregue à influência demoníaca (1 Sm 16.14). A partir daí, perdeu o controle, foi tomado por ódio, inveja e ciúmes. Enfurecido, tentou matar Davi por mais de uma vez (1 Sm 18.9-12,17; 19.1). Ele próprio declarou-se angustiado: “Deus se tem desviado de mim e não me responde mais…” (1 Sm 28.15).

Quanto a Deus não responder a pecadores, a Bíblia diz: “Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem o seu ouvido, agravado, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o Seu rosto de vós, para que não vos ouça ” (Is 59.1-2). Deus só aceita orações dos genuinamente arrependidos e humildes (Lc 18.14), e dos que pedem segundo a sua vontade (1 Jo 5.14). O egoísmo, a cobiça, o ciúme e a desobediência endureceram o coração de Saul de forma irreversível. Ele sentiu o desamparo de Deus. As condições para que Deus ouvisse a Saul seriam que ele orasse, buscasse verdadeiramente a Sua face, e se arrependesse com sinceridade de seus maus caminhos (2 Cr 7.14).

Porém, como um abismo chama outro abismo (Sl 42.7), Saul, num último e desesperado gesto de desobediência, resolveu apelar para uma médium espírita na tentativa de falar com o profeta Samuel, já morto. Ora, tal expediente é condenado por Deus na Sua palavra: “Não haja no teu meio quem faça passar pelo fogo o filho ou a filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem FEITICEIRO, nem encantador, nem NECROMANTE, nem mágico, nem QUEM CONSULTE OS MORTOS. O Senhor abomina todo aquele que faz essas coisas…” (Dt 18.10-12). Nessa proibição não foi usada a palavra “espiritismo”, surgida milhares de anos depois, com o advento do kardecismo. Todavia, a idéia está subjacente. Ouçam: “Quando vos disserem: Consultai os médiuns e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram entre dentes, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? Acaso a favor dos vivos se consultarão os mortos” (Is 8.19). O envolvimento com médiuns ou necromantes leva à condenação (Is 8.20-22; Lv 19.31; 20.6). Outras referências: Ex 22.18; Jr 27.9; 29.8; Atos 16.16.

Saul, desejando uma resposta de Deus, procurou uma feiticeira, uma necromante, uma mulher que incorporasse algum espírito, uma mulher com “dons” mediúnicos: “Buscai-me uma necromante, para que eu vá a ela e a consulte” (1 Sm 28.7-a). Deus estaria sendo incoerente se atendesse aos caprichos de Saul. Aqui surge a primeira evidência da impossibilidade de haver Samuel se apresentado na sessão espírita sob análise. Para lembrar: “Em favor dos vivos consultar-se-ão os mortos?” (Is 8.19). Logo, Deus não iria legitimar uma prática por Ele próprio condenada.

Além disso, uma das causas da morte de Saul foi o haver consultado a feiticeira de En-Dor (cidade da tribo de Manassés), conforme 1 Crônicas 10.13-14. Não há como imaginar uma sessão espírita sendo enriquecida e abençoada com a presença de um mensageiro de Deus. Se permitida tal prática, não precisaríamos mais buscar ao Senhor. Em situações difíceis, cairíamos aos pés de um médium, e diligentemente se apresentariam os santos do Senhor. Então, a Bíblia iria para o lixo e passaríamos a observar outro Evangelho.

2. Uma sessão espírita de mentira

Em primeiro lugar, Saul demonstrou ser um hipócrita: mandara eliminar todas as feiticeiras e agora vai a uma feiticeira (1 Sm 28.3,9). Segundo, ele “se disfarçou e vestiu outras vestes, desejando negar sua identidade (v.8); usou falsamente o nome do Senhor, jurando por Ele (v.10). Terceiro, a feiticeira primeiramente disse que viu a Samuel (v. 12), depois disse que viu “deuses que sobem da terra” (v.13); depois, já não eram deuses nem Samuel, mas “um ancião envolto numa capa”(v.14). Quarto, diante dos personagens apresentados, Saul admitiu (“entendeu”) que Samuel estava ali à vista da feiticeira vidente (v.14).

Note-se que a primeira fala de “Samuel” é de insatisfação: “Por que me inquietaste (ou me interrogas) fazendo subir? (v.15). Dois pontos devem ser analisados nessas palavras. Primeiro, se Deus permitira a vinda de Samuel, como Seu mensageiro, o profeta deveria cumprir com alegria a missão recebida, e não se mostraria insatisfeito. O espiritismo afirma que os desencarnados são mensageiros de Deus. Segundo, o entendimento é que quem comandou a “subida” de “Samuel” não foi Deus, mas o pecador Saul. O “ancião envolto numa capa” declarou que Saul o fez subir (v.15). O santo de Deus, o profeta Samuel, estaria à disposição de uma feiticeira e de um rei pecador, a quem Deus não mais respondia. Devemos nos lembrar que a Bíblia sempre fala que o inferno está em baixo, e o céu, em cima. Mas esse “Samuel” subiu, veio de baixo!

Outra pergunta de “Samuel” merece ser comentada: “Por que, pois, a mim me perguntas, visto que o Senhor te tem desamparado e se tem feito teu inimigo?” (1 Sm 28.16). Ora, se Deus havia se ausentado de Saul; se este já estava sob condenação; se os ouvidos de Deus estavam tapados ao clamor de Saul (v.6,15,16), como sairia da glória o santo Samuel para prontamente atender a um chamado desse rei, via feiticeira? Se Deus se fizera inimigo de Saul, por que razão Samuel viria atender ao chamado? Que autoridade teriam um rei e uma feiticeira (ou, por extensão, que autoridade têm os médiuns) para convocarem os santos do Senhor?

3. A profecia não cumprida

Diz a Bíblia: “Como conheceremos a palavra que o Senhor não falou? Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e tal palavra se não cumprir, nem suceder assim, esta é palavra que o Senhor não falou” (Dt 18.21-22). Disse “Samuel” a Saul: “E o Senhor entregará também a Israel contigo na mão dos filisteus, e amanhã tu e teus filhos estareis comigo” (1 Sm 28.19). Enquanto o pseudo Samuel estava discorrendo sobre fatos passados, acertou; mas no momento em que falou sobre acontecimentos futuros, foi um desastre. Ele disse: “AMANHÃ estareis comigo”. Ora, os dicionários dizem que amanhã significa “o dia seguinte àquele em que estamos”. Todavia, Saul não morreu no dia seguinte. Vejamos: Um dia se passou, segundo relato em 1 Sm 29.10-11, (levantou-se no dia seguinte de madrugada); três dias se passaram, conforme 1 Sm 30.1 (chegaram ao terceiro dia a Ziclague); um dia se passou em 1 Sm 30.17 (desde o crepúsculo até a tarde do dia seguinte). Saul morreu cinco dias, no mínimo, após a profecia de “Samuel”.

Disse mais “Samuel” a Saul: “Tu e teus filhos estareis comigo” (v.19). Os filhos de Saul eram, no mínimo, oito: Jônatas, Isvi, Malquisua, Merabe, Mical (1 Sm 14.49; 1 Cr 8.33), Armoni, Mefibosete (2 Sm 21.8), Abinadabe (1 Cr 8.33) Is-Bosete, cujo primeiro nome foi Esbaal (2 Sm 2.8). Todavia, apenas três morreram na batalha: Jônatas, Abinadabe e Malquisua (1 Sm 31.2,6; 1 Cr 10.2). Is-Bosete, por exemplo, passados cinco anos da morte de seu pai, reinou sobre Israel durante dois anos, (2 Sm 2.10; 4.7). Outra declaração contraditória: “Estareis comigo”. Por tudo que vimos, Saul não foi para o mesmo lugar onde se encontrava Samuel, que estava no Paraíso, na paz do Senhor (Lc 16.22). Outra inverdade proferida pelo falso Samuel foi que Saul cairia nas mãos dos filisteus (1 Sm 28.19). Saul suicidou-se (1 Sm 31.4-5).

4. Outras considerações

Se de fato Samuel apareceu naquela sessão como mensageiro do Senhor, suas profecias teriam sido cumpridas, na íntegra, quanto ao destino de Saul, ao dia da sua morte e ao número de filhos que morreriam na batalha. O próprio Samuel declara em 1 Sm 15.29: “E também aquele que é a Força de Israel não mente…”.

Após censurar com rigor a rebelião de Saul, o profeta disse não voltaria a ele: “Não tornarei contigo” (1 Sm 15.26). De fato, “nunca mais viu Samuel a Saul até ao dia da sua morte…” (v. 35). Logo, não haveria razão para Samuel, após a morte, retornar a Saul. Se retornasse, estaria contrariando sua própria palavra, e, como tal, ficaria desqualificado para agir como mensageiro de Deus.

Se Deus não falava com Saul pelos meios usuais – “ministério dos profetas e sonhos” (1 Sm 28.15) – não falaria através de um meio abominável. O surgimento do profeta naquela sessão espírita estaria legitimando uma nova prática de consulta aos santos do Senhor.

“Por que me interrogas (ou me inquietas) fazendo-me subir?” (1 Sm 28. 15). “Por que, pois, a mim me perguntas?” (1 Sm 28.16). Entende-se que Samuel não viera a serviço do Senhor. Se o profeta estivesse ali em missão divina, jamais afirmaria que Saul “o fez subir”; falaria em nome do Senhor dos Exércitos, como sempre fez. Se Samuel se apresentasse como mensageiro de Deus, Saul estaria diante do interlocutor apropriado, capaz e legítimo. Mas “Samuel” retrucou: “Por que me interrogas?”. Que influência, que força, que poder teriam um homem em pecado e uma médium espírita para trazer do Paraíso um profeta do quilate de Samuel que ouvia a voz de Deus?

Finalmente, se a prática de consultar os mortos tivesse sido validada por Deus, enviando o santo Samuel, não teria sentido a condenação de Saul, como está em 1 Crônicas 10.13: “Assim morreu Saul por causa da sua infidelidade ao Senhor, e até consultou uma adivinhadora…”.

Portanto, não foi Samuel quem participou daquela sessão espírita. Um demônio ali se manifestou, personificando o profeta. Essa interpretação é reforçada pelos seguintes fatos adicionais: (a) Saul desejou consultar uma mulher que tivesse “o espírito de feiticeira” (1 Sm 28.7), que literalmente significa “uma mulher possuída de Ob”. Essa palavra, “Ob”, “significa um receptáculo feito de peles, e passou a ser aplicado a um homem ou mulher possuídos pelo espírito de necromancia” (O Novo Comentário da Bíblia). Os espíritos familiares àquela mulher não eram os santos do Senhor, mas espíritos da mentira e do engano. (b) O espírito do engano, no intuito de enganar a Saul, aos criados e à feiticeira, apareceu com o semblante de Samuel e certamente imitou a sua voz. Por isso, ela se mostrou assustada: “Quando a mulher viu a Samuel, gritou em alta voz e disse a Saul: Por que me enganaste?” (1 Sm 28.12). (c) A afirmação “estareis comigo”, de “Samuel”, reforça o entendimento de que o diabo estava certo quanto ao destino de Saul. (d) A interrogação “por que me fizeste subir” denota que esse “Samuel” estava em baixo, em regiões inferiores, para onde também iria o rei.

Em Lucas 16.19-31, Abraão negou o pedido do rico para que mandasse o santo Lázaro a Terra. E teria Lázaro a nobre missão de falar de salvação aos irmãos do rico. Nem assim foi possível. Abraão declarou que eles deveriam dar ouvidos a “Moisés e profetas”, meios usuais de consulta (v.29). O rico também se viu impedido de sair do seu lugar. Logo, espíritos humanos, bons ou maus, estão impossibilitados de se apresentarem em sessões espíritas, sejam elas dirigidas por médiuns, feiticeiras, necromantes ou adivinhos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s